Pesquisas

Amoras amora, uma fruta milenar


O amoras silvestres, que são os frutos da planta, contêm um tesouro em termos de antioxidantes, aminoácidos, minerais e vitaminas. O problema é encontrá-los, porque a amoreira já não está tão espalhada como antes, e recolhê-los antes que caiam no chão e se percam.

Pra coletar amoras silvestres as redes de jardinagem são úteis, como as usadas para a colheita da azeitona. Mas você tem que mantê-los levantados do solo, onde os frutos seriam estragados imediatamente. A solução é amarrar a rede nos galhos sob a copa da planta e usá-la como se fosse pescar. Lembrando-se de esvaziá-lo com frequência porque o amoras silvestres essa queda já está bem madura (no ponto certo) e se houver muitos na rede o peso pode danificá-los.

Para preservar a sorose, que é outra forma de chamar o amoras silvestres, você tem 4-5 dias fora da geladeira, 3 semanas na geladeira e até 12 meses se estiverem congelados. Mas lembre-se de que 'congelar' e 'congelar' são duas coisas diferentes e 'congelar' não é algo que pode ser feito com o freezer doméstico normal.

Para a coleção de amoras silvestres dedica-se a ela de maio (início ou fim do mês dependendo do clima) até meados de julho (ainda mais tarde com algumas variedades), mas primeiro é preciso encontrar as plantas. Quando a sericultura era praticada no campo, as amoras eram comuns porque as folhas eram o alimento dos bichos-da-seda. Hoje, porém, não há mais muitos no campo, onde muitas vezes marcam a fronteira entre um campo e outro.

Redes para a coleta de amora

Pessoalmente, recomendo plantar pelo menos uma amoreira para quem tem um jardim com espaço suficiente (a altura varia de 4 a 20 metros dependendo da espécie) porque, além de dar amoras silvestres, é uma planta bonita, perfeita para criar áreas sombreadas graças à sua folhagem densa, e é um bom lar para as vespas que polinizam o jardim.

Estávamos falando de espécies, as da amoreira têm cerca de quinze anos, mas existem três tipos principais: branca, preta e vermelha. A primeira diferença está na planta:

O amora branca (Morus alba) é a que mais se desenvolve e pode chegar a 20 metros de altura, algo a ter em conta se pretende plantar. O nome branco depende dos botões de cor clara, não das bagas, que podem ser brancas, rosa ou pretas. A amora branca, originária da China central, foi a mais utilizada na alimentação do bicho-da-seda e também a que melhor resiste ao frio.

O amora preta (Morus nigra) também é nativo da Ásia, na parte mais ao sul, e já era comum na época romana. O desenvolvimento da altura e também da copa é menor do que na amora branca e a abertura dos botões é mais tardia na primavera. As bagas são pretas.

O amora vermelha (Morus rubra) é, em vez disso, difundido nos Estados Unidos, áreas central e sudeste, e é o menor dos três. Os bagos são de um vermelho vivo tendendo ao preto quando totalmente maduros.

O amoras silvestres ocupam lugar de destaque entre os chamados 'superalimentos' (definição anglo-saxônica que também se refere às groselhas, mirtilos e framboesas), ou seja, alimentos com propriedades dietéticas e curativas consideradas importantes para a defesa da saúde. A ingestão de calorias é baixa (43 calorias / 100 gramas de frutas), alto teor de ferro ((1,85 mg / 100 gramas de frutas) e potássio, manganês e magnésio, além das vitaminas C, K e complexo B.

Mas o interesse de médicos e fitoterapeutas por amoras silvestres depende sobretudo do elevado teor de polifenóis, flavonóides e atividade antioxidante (antocianinas e resveratrol) o que os torna um instrumento de prevenção insubstituível de doenças do envelhecimento celular, doenças degenerativas do sistema nervoso, diabetes, infecções bacterianas, inflamações e tumores. Algumas propriedades dependem da cor dos frutos:

O amora preta (de amora branca) têm um sabor particularmente doce, mas pouca acidez e o sabor é reduzido, resultando bastante plano. Contêm proteínas, taninos e rutina em boa quantidade e também possuem propriedades diuréticas e laxantes. De acordo com alguns estudos, têm propriedades antibacterianas, em particular contra as bactérias responsáveis ​​pela cárie dentária.

O amora preta e vermelha (da amora preta, vermelha, branca) são preciosos pelo bom teor de antocianinas, antioxidantes preciosos presentes em quantidades variáveis ​​nos vegetais pretos, roxos e vermelhos. Também interessante é o conteúdo de resveratrol, um antioxidante também contido no vinho tinto que ajuda a prevenir doenças cardiovasculares. Ao paladar, as amoras amora preta e vermelha apresentam um melhor equilíbrio entre o doce e o azedo e são mais agradáveis.

Você quer plantar uma amoreira? Compre aqui: amoreira preta

Uma história ambientada entre as amoreiras? Aqui está este romance em formato Kindle Quando havia amoras

Um conto de fadas para crianças de 5 a 8 anos? Aqui está: Era uma vez uma amoreira

Informações em molho de amarcord? Outro livro: O antigo sabor das amoras silvestres. Salento nas memórias, nas anedotas nos provérbios

E leia isto se você quiser fazer uma boa geléia de amora


Vídeo: Os benefícios da amora nigra ou branca. Se inscreva no canal e deixe o seu joinha. (Outubro 2021).